9 agosto 2022 - 11:14

Celesc investe R$ 5,4 milhões em projeto para converter carros de frotas públicas em veículos elétricos


A Celesc está desenvolvendo o projeto ConverTE, para conversão de carros de frotas públicas movidos a combustão em veículos elétricos. Entre os objetivos do trabalho, está testar a viabilidade dessa transformação, contribuir para a formatação de uma legislação acerca do tema e diminuir impactos ambientais.

Nesta terça-feira (14), uma das etapas foi cumprida, com a inauguração de um eletroposto na Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina (Alesc), em Florianópolis, e entrega em empréstimo do Veículo Zoe Elétrico para levantamento do perfil de usuário da frota pública.

O projeto é  realizado em parceria com o Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e a Fundação de Ensino e Engenharia de Santa Catarina (FEESC).

Maior financiadora, a Celesc está investindo R$ 5,4 milhões na iniciativa. Foram R$ 1,87 milhões no primeiro ano, e serão investidos mais R$ 3,53 milhões ao longo dos próximos dois anos de execução.

A ação tem contrapartida de cerca de R$ 1 milhão da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e de R$ 330  mil do Polo de Inovação em Sistemas Inteligentes de Energia do Instituto Federal de Santa Catarina (PE-IFSC).

“Esse projeto faz parte de um programa de mobilidade elétrica que a Celesc desenvolve, sendo uma primeira iniciativa o fomento de eletropostos pelo Estado, e agora incentivando a conversão de veículos. Essas iniciativas colocam Santa Catarina como um dos estados pioneiros no incentivo à mobilidade elétrica no país”, destaca Thiago Jeremias, gerente dos Programas de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética da Celesc.

Meta é converter cinco veículos

O projeto, oficialmente chamado de “Inserção de Veículos Elétricos em Frotas Públicas, através da Conversão de Veículos a Combustão Para Tração Elétrica”, começou a ser desenvolvido em outubro do ano passado, com previsão de conclusão em três anos.

A meta é converter cinco veículos automotores leves de fabricação nacional, com peso efetivo máximo de até 1,5 toneladas. O trabalho projeta, implementa e testa dois sistemas de conversão de veículos a combustão para tração elétrica. Um dos sistemas utiliza tecnologia nacional, e é aplicado em dois carros. Já o outro sistema usa uma tecnologia importada (powertrain), aplicada em veículos protótipos leves.

O primeiro sistema está em fase final de conversão, e a previsão é que o trabalho esteja concluído até dezembro deste ano. O segundo sistema está na fase de estudos, e será desenvolvido e concluído ao longo do próximo ano.

Dois dos veículos serão destinados à utilização por parte dos associados no projeto (Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário) e a Celesc.

A Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) será a primeira a contar com essa experiência, e os seus servidores poderão compartilhar o veículo elétrico por meio  de um aplicativo de gerenciamento de reservas com monitoramento e controle.

O veículo entregue nesta terça, um VE de linha Renault Zoe, ainda não é um dos carros convertidos pelo projeto, mas sim um automóvel já fabricado no modelo elétrico. A ideia é que os servidores da Alesc utilizem esse primeiro veículo em fase de teste.

De acordo com um estudo da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), haverá, no médio prazo, um aumento significativo na inserção de Veículos Elétricos (VEs) no país, com consequente aumento da demanda de energia para suprir essas novas cargas. Devido à falta de padronização e legislação do processo de conversão, o projeto desenvolvido pela Celesc também busca auxiliar para suprir essa lacuna

Para contribuir de forma eficiente para esse cenário, além de estudar e propor uma redação de legislação sobre o tema, o projeto visa principalmente desenvolver um sistema de conversão de veículos a combustão para tração elétrica com baixos custos e acessível.

Eletropostos

O projeto também prevê a instalação de sete eletropostos, sendo quatro no campus Florianópolis do IFSC, onde dois deles já foram instalados, um dentro de um laboratório e outro no pátio interno do estacionamento. Os outros três  ficarão em órgãos públicos da Capital, sendo um no Poder Judiciário, outro no Poder Executivo e outro no Poder Legislativo, inaugurado nesta terça.

“Todas essas medidas, aliadas à inserção gradual de veículos elétricos na frota pública, além de contribuir para redução dos custos dessas entidades com transportes de funcionários e mercadorias, visam também auxiliar na redução dos impactos ambientais produzidos pelos veículos a combustão referentes à emissão de CO2 e demais gases do efeito estufa (GEE). Objetivos que, apesar de aparecem como secundários, são de grande importância econômica e ambiental”, destaca o gerente do projeto, Lauro Fernando Lacerda Junior, da Divisão de Transportes e Viagens/Departamento de Administração da Celesc Distribuição.

Na companhia, a equipe que atua nos trabalhos envolve ainda os pesquisadores Alessandro Pedro Dadam, Bruno Cordeiro Clasen, Diego Ferreira e Silva e Luiz Henrique Rafael, além do gerente do programa de P&D Thiago Jeremias e os colaboradores da área Luiz Afonso Pereira Athayde Filho e Maria de Lourdes Guimaraes Machado.

Pelo IFSC, o projeto conta com a participação de 16 pesquisadores do campus Florianópolis, sob a coordenação do professor Adriano Bresolini.

Texto: Comunicação Celesc

- Anúncio -
-Anúncio-
-Anúncio-
-Anúncio-