17 maio 2022 - 12:50

Sebrae e Instituto Malwee formalizam parceria que une desenvolvimento econômico

Projeto “Menos resíduo, Mais renda” auxilia mulheres em situação de vulnerabilidade na produção de artesanato com sustentabilidade

O Sebrae e o Instituto Malwee formalizaram nesta sexta-feira, 10 de fevereiro, a parceria para o desenvolvimento de um projeto de artesanato que integra o desenvolvimento econômico ao bom uso de recursos naturais. A proposta, chamada “Menos resíduo, Mais renda”, busca auxiliar mulheres em situação de vulnerabilidade na produção de artesanato com sustentabilidade. O Convênio de Cooperação Técnica e Financeira foi formalizado em encontro presencial, na sede do Sebrae/SC.

O objetivo do projeto é criar renda para grupos formado por mulheres, por meio da economia circular, desenvolvendo produtos atrativos comercialmente e economicamente sustentáveis.

O Grupo Malwee doará os resíduos têxteis, o Instituto Malwee e o Sebrae conduzirão o projeto para que novos produtos sejam criados e relocados no mercado. Além de Santa Catarina, Minas Gerais e Alagoas também foram Estados contemplados.

No evento em Florianópolis estavam presentes a Presidente do Instituto Malwee, Diana Zerbini Martins, a analista do núcleo de Moda do Sebrae Nacional, Josiane Minuzzi, a analista do núcleo de Artesanato do Sebrae Nacional, Durcelice Mascene, o Gerente de desenvolvimento regional do Sebrae/SC, Paulo Rocha, a Gestora do Projeto em Santa Catarina, Simone Amorim e a Gestora do Projeto na Grande Florianópolis, Luana Baixo.

“Nosso objetivo é fomentar o uso dos resíduos têxteis e gerar renda, especialmente para mulheres em vulnerabilidade econômica e social. O projeto faz a doação de produtos têxteis, e nós, através de um grupo de voluntários do Grupo Malwee, vamos desenvolvendo produtos e compartilhando em um ateliê virtual. Mas percebemos que doar os resíduos e ajudar as mulheres a produzirem produtos não era suficiente para gerar renda. Por isso, acreditamos que essa necessidade é o que a parceria com o Sebrae vai possibilitar, com a sua vasta experiência na organização de MEIs e artesãos, fazendo com que elas se tornem empresárias, transformando o produto em renda. Temos certeza que agora o nosso projeto vai beneficiar efetivamente esses grupos”, afirma a presidente do Instituto Malwee.

Para a analista do núcleo de Moda do Sebrae Nacional, Josiane Minuzzi, o projeto está muito ligado à missão do Sebrae/SC, que é estimular o empreendedorismo. “Projetos que envolvem mulheres em situação de vulnerabilidade nos tocam, porque entendemos que o empreendedorismo é uma ótima oportunidade para elas criarem renda. Quando unimos a moda ao artesanato, conseguimos gerar renda para um grupo de mulheres que depende disso para ter uma vida digna; e o Sebrae acredita numa moda justa e responsável”, comenta.

O projeto terá duração de 10 meses e buscará despertar nas participantes o espírito empreendedor; Atuar com valorização pessoal, do grupo e do produto desenvolvido; Noções de sustentabilidade e a importância dela para a Economia Circular; Noções para formalização; Abrir oportunidades para comercialização dos produtos.

“Queremos posicionar o artesanato como uma grande ferramenta que movimenta a economia, e tem a capacidade de agregar a todos os setores, somando esforços. Santa Catarina tem uma questão muito importante que é a indústria têxtil, podendo trazer peças, envolver pessoas na economia circular, e gerar ocupação e renda. Acreditamos que essa parceria irá permitir grandes possibilidades para o artesanato brasileiro, como a agregação de valor e identidade cultural, utilizando resíduos para que sejam desenvolvidos produtos com características locais e identidade cultural”, conclui a responsável pelo núcleo de Artesanato do Sebrae Nacional, Durcelice Mascene.

Colaboração: Karla Quint Fábrica de Com unicação 

- Anúncio -
-Anúncio-
-Anúncio-
-Anúncio-