26 maio 2024 - 9:13
- Anúncio -

Pedidos de recuperação judicial no País neste primeiro trimestre avançam 73,4%

Somente em março, foram 183 pedidos, um crescimento de 94,7% em comparação ao ano passado, e de 8,3% em relação a fevereiro deste ano.

Tanto a recuperação judicial quanto a extrajudicial, como acaba de anunciar o Grupo Casas Bahia, são dois instrumentos legais que buscam a recuperação econômica e financeira das empresas. Dados da Serasa Experian mostram que, no Brasil, em 2024, os pedidos de recuperação judicial (RJs) tiveram a maior alta em 8 anos, puxados por agro e comércio. No acumulado do primeiro trimestre deste ano, o avanço foi de 73,4%, o maior para o período desde 2016. Somente em março, foram 183 pedidos, um crescimento de 94,7% em comparação ao ano passado, e de 8,3% em relação a fevereiro deste ano. Já em 12 meses, o aumento dos pedidos de RJs foi de 73,3%, o 15º aumento seguido.

Isso deve permanecer, infelizmente, não havendo perspectiva de melhora em curto prazo, devido ao patamar ainda muito elevado de inadimplência das empresas. Ao longo do ano passado, o número de pedido de recuperação judicial no Brasil teve uma alta de 68,7%, com 1.405 empresas recorrendo à recuperação judicial, sendo 135 grandes empresas, 331 de médio porte e 939 micros e pequenas empresas.

Em São Paulo, estado economicamente mais importante do País, os pedidos de recuperação judicial também vêm crescendo. Do período de janeiro a dezembro de 2023, o número de recuperação judicial requerida por empresas foi de 505 contra 288 em 2022.

A crise econômica, agravada com a chegada da Covid 19, e alguns outros fatores mercadológicos e administrativos justificam o aumento do número de pedidos de recuperação judicial no País. A pandemia, que remodelou o mercado, e as taxas de juros altas, persistentes por longo período, trouxeram a necessidade de uma nova habilidade aos gestores para o enfrentamento de crises. Grande número de empresas, que era gerida em mar mais calmo, não conseguiu manter o negócio no ambiente de turbulência, deixando de tomar medidas importantes e doloridas.

Para enfrentar essa situação de crise, a restruturação empresarial é fundamental. A consultoria de turnaround exerce um papel fundamental para a recuperação e saúde financeira da empresa, pois é ela quem dá um toque na recuperação judicial. A Assessoria Jurídica especializada em direito empresarial e a Consultoria de Turnaround serão responsáveis por todas as etapas do processo, desde a preparação para ingressar com o pedido de recuperação judicial. O diferencial da consultoria em reestruturação é fazer o diagnóstico profundo na busca de soluções, detectando o motivo da empresa estar em crise, o tamanho e como estancá-la.

Nesse sentido, o melhor dos cenários é implementar medidas e ações para prevenir a crise, ou seja, adotar a reestruturação empresarial como papel estratégico para promover a modernização do negócio, proporcionar eficiência na gestão e no mercado de atuação, visando aumentar lucros e diminuir gastos. Enfim, é uma estratégia para reorganizar a empresa, aplicar medidas preventivas e corretivas, a fim de causar melhorias em todos os setores, evitando crises.

*Eduardo Bazani é sócio-diretor da Nordex Consultoria Empresarial, formado em Engenharia Industrial, com pós-graduação em Administração de Empresas pela FEI, e especialização em Reestruturação de Empresas e Recuperação Judicial de Empresas pelo Instituto Insper de São Paulo.

Colaboração: Zulmira Felício / Informativa Midia

spot_img
-Anúncio-
-Anúncio-
-Anúncio-
<