1 março 2024 - 8:55
- Anúncio -

Mesmo com o reajuste tarifário associados/consumidores da Cegero continuarão pagando uma das tarifas mais baratas do Brasil

Com um dos menores custos operacionais do Brasil e um reajuste médio de 6,24% no valor pago pela energia elétrica, os associados/consumidores da Cooperativa de Eletricidade de São Ludgero (Cegero) continuarão com uma das tarifas mais baratas do país. A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou no dia 26 de setembro, em reunião pública ordinária, o reajuste tarifário de 21 permissionárias localizadas em Santa Catarina e São Paulo, entre elas a Cegero.

As novas tarifas foram publicadas em 29/09/2022 pela Resolução Homologatória ANEEL nº 3.258/2023 e estão disponíveis no endereço eletrônico http://www.cegero.coop.br/comerciais/tarifaservico. Os novos valores passam a valer para a energia consumida a partir de 30 de setembro de 2023.

O efeito médio do reajuste a ser percebido pelos consumidores será de 6,24%. Para os consumidores faturados em Baixa Tensão o efeito médio será de 7,94%, sendo de 6,61% para os consumidores residenciais. Já para os consumidores faturados em Alta Tensão o efeito médio será de 5,74%.

Dentre os itens que mais impactaram este processo, destacam-se os encargos setoriais que corresponderam ao efeito de 3,08% no processo tarifário e os custos com transporte de energia (Celesc) com 2,49% de efeito no processo, ou seja, os dois junto representaram um impacto de 5,57%. Já o custo relacionado a compra de energia representou um efeito de 0,50% e o custo relacionado a distribuição, conhecidos como parcela B ou “Custo Cegero” representou apenas 0,34%.

COMPOSIÇÃO DA TARIFA – A tarifa de energia é composta de custos da geração, transmissão e distribuição de energia, além de encargos e tributos. Quando a conta chega, o consumidor paga pela compra da energia (custos das empresas geradoras), pelo transporte da mesma (custos das empresas de transmissão de energia), pela distribuição (parte que cabe à Cegero) e pelos encargos setoriais e tributos. Portanto, no valor da fatura de energia paga pelo consumidor:

* 33,4% se referem a custos com a compra de energia (geração);

* 13,3% de transmissão de energia;

* 23,3% de encargos setoriais;

* 16,3% de ICMS; e

* 13,7% de custos com distribuição de energia até o seu imóvel (parte destinada à Cegero).

Na prática, em média, a cada R$ 100 de uma fatura mensal apresentada ao cliente, R$13,70 serão destinados à Cegero, para a cobertura dos custos com operação, manutenção e investimentos na rede de distribuição de energia elétrica. Outros R$ 46,70 serão destinados ao pagamento das despesas com geração e transmissão da energia, enquanto os R$ 39,60 restantes serão destinados aos encargos setoriais, impostos e tributos.

RANKING DE TARIFAS – Para o presidente da Cegero, Francisco Niehues Neto, o Chico, apesar do reajuste tarifário, conseguimos manter a nossa tarifa entre as menores do Brasil, reforçando o nosso compromisso com o bem estar dos consumidores e associados. É importante destacar que a Cegero não tem mais desconto na compra de energia da Celesc e também não recebe subvenção para cobertura de custos operacionais, auxílios ainda existentes na grande maioria das cooperativas permissionárias do Brasil. “Em 2017, a Cegero possuía 53,34% de desconto na compra de energia da Celesc, valor que chegou a ser de 67,35%. Por força da legislação, esses descontos passaram a ser reduzidos gradativamente no decorrer dos anos e nossa preocupação foi a de conseguir fazer uma transição que permitisse à Cegero se manter com a tarifa abaixo da Celesc e se possível entre as 5 mais baratas do Brasil. Em setembro de 2023 continuamos entre as mais baratas do Brasil e 13% abaixo da Celesc”, ressalta.

De forma a demonstrar de maneira prática a aplicação das tarifas, a seguir apresentamos a aplicação da tarifa B1 residencial (tarifa de referência) praticada pela Cegero, comparando-a com a tarifa média nacional. Ambas as tarifas sem o acrescimo de valores sem tributos e outros elementos que fazem parte de sua conta de luz, tais como ICMS, PIS/PASEP e Cofins, Taxa de Iluminação Pública e o adicional de Bandeira Tarifária.

Distribuidora Preço da Tarifa B1 (R$/kWh)¹ Diferença p/ Cegero (%)
Tarifa Cegero 0,516
Tarifa média nacional 0,726 40,69%

Para exemplificar, suponhamos que você consuma 300kWh no mês, consumo médio residencial em São Ludgero, o valor da fatura paga nesses dois casos, sem ICMS, seria:

Distribuidora Tarifa (R$/kWh) Consumo (kWh) Total a pagar (R$)
Tarifa Cegero 0,516 300 R$154,80
Tarifa média nacional 0,726 300 R$217,80

Ou seja, se comparado a média nacional, você está economizando R$63,00 reais por mês, o que representa R$756,00 por ano.

INVESTIMENTO PREVISTO – LD138KV – R$30.000.000,00 –  Entre os investimentos planejados para os próximos anos, está prevista a construção de uma linha de distribuição de 138kV, com 30,2 km de extensão, possibilitando melhorar ainda mais a capacidade de distribuição da Cegero no futuro e a qualidade da energia fornecida pela Cooperativa, assim como permitir a aquisição de uma energia com menor custo de transporte. Valor estimado para a execução do projeto é de aproximadamente R$ 60.000.000,00, a ser dividido igualmente entre a Cegero e a Cerbranorte. Valor da Cegero R$ 30.000.000,00.

COOPERATIVISMO – MANUTENÇÃO DOS PROJETOS SOCIAIS – O Cooperativismo tem como objetivo oferecer, de maneira equilibrada, resultados econômicos e sociais aos associados. No caso das Cooperativas distribuidoras, os resultados econômicos são apresentados na forma de melhores tarifas e prestação de serviços adequados. Já os resultados sociais são apresentados por meio de projetos sociais vinculados à saúde, esporte, educação e cultura, que buscam beneficiar toda a população, conforme ocorrido em 2022, com contribuições e projetos sociais que somados chegaram a R$ 470.254,40.

Comunicação Cegero

- Anúncio -
-Anúncio-
-Anúncio-