18 maio 2022 - 9:04

Médica Veterinária da Cidasc de Orleans esclarece dúvidas sobre brucelose e tuberculose

A importância de certificar propriedades como livres de brucelose e tuberculose foi um dos temas abordados em entrevista  para a rádio 106 FM, de Orleans, no último sábado (26). A médica veterinária Carmen Vieira explicou ainda a Portaria SAR/44, que recomenda a realização de exames de tuberculose nas propriedades leiteiras.

Carmen é uma profissional de referência na região e sempre traz pautas importantes para os produtores rurais exercerem bem suas atividades. Na conversa com os ouvintes da rádio, lembrou a importância de manter os rebanhos devidamente brincados de emitir GTAs das propriedades de reprodução e leite, com a obrigatoriedade de realização de exames de brucelose e tuberculose.

A certificação de propriedade livre de brucelose e tuberculose é de suma importância na segurança e qualidade de produção de uma propriedade. Isso porque são doenças altamente transmissíveis entre o rebanho e nocivas ao ser humano.

A tuberculose pode apresentar sintomas como queda na produção de leite das fêmeas, tosse constante, resistência a tratamentos e, na fase final da doença, emagrecimento. Já quanto à brucelose, alguns dos sintomas nos animais são o aborto no sétimo mês de gestação, queda na produção de leite, retenção de placenta e nos machos, o inchaço nos testículos.

Entretanto é importante lembrar que ambas as doenças podem não apresentar sintoma algum em animais doentes. Por isso a orientação de ser realizar exames periodicamente, entre 6 e 12 meses, e de comprar apenas de animais certificados, duas medidas essenciais para a garantia de qualidade e segurança sanitária de seu rebanho.

Para receber a certificação, os animais devem apresentar resultado negativo em dois exames consecutivos com intervalo 6 a 12 meses entre eles em todos os bovinos e bubalinos da propriedade, por médico veterinário habilitado no PNCEBT (Programa Nacional De Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose Animal).

Para a prevenção de contágio em humanos é importante sempre lavar as mãos após tocar nos animais e usar luvas ao manusear placentas infeccionadas e fetos abortados.

Para realizar exames em seu rebanho, entre em contato com os escritórios da Cidasc, que possuem uma lista de médicos veterinários qualificados para realizar o procedimento.

Fonte: Assessoria de Comunicação – Cidasc

- Anúncio -
-Anúncio-
-Anúncio-
-Anúncio-