3 dezembro 2021 - 1:25

Familiares de autistas reivindicam atendimento especializado em Forquilhinha

Pais e mães de pessoas diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) estiveram na Câmara de Vereadores de Forquilhinha na última segunda-feira, 18, solicitando apoio e agilidade na execução de projetos já aprovados no Legislativo. Segundo o grupo, falta um atendimento melhor e especializado no município.

O morador da Santa Isabel, Salésio Feller, fez um relato na tribuna. “Tenho um filho de 12 anos com diagnóstico leve do TEA. Ser pai de autista é ir para uma guerra sem armas e sem estratégia, é no dia a dia que vamos descobrindo as estratégias para ter mais sociabilidade com eles”, conta.

Dois projetos já foram aprovados na Câmara e viraram leis em Forquilhinha. A Lei nº 2.486/2021 institui sobre política pública do município para garantia, proteção e ampliação dos direitos das pessoas com TEA. E a Lei nº 2.522/2021, que autoriza a criação de programa municipal de censo de inclusão das pessoas diagnosticadas com TEA.

Na avaliação do vereador Dinho Rampinelli (PL), o atendimento é deficitário município. “A Apae de Forquilhinha atende crianças até os sete anos de idade, e a Associação dos Pais e Amigos Autistas (AMA) de Criciúma está com fila de espera de pessoas aguardando vagas. Falta um local com atendimento exclusivo e especializado”, comenta.

Filipe Casagrande 
Assessoria de Imprensa
- Anúncio -
-Anúncio-
-Anúncio-
-Anúncio-