21 maio 2022 - 10:39

Alto custo de vida torna ainda mais desafiador equilibrar as despesas de início de ano

Embora não existam soluções mágicas, planejar suas finanças e reavaliar suas despesas podem fazer toda a diferença

Você espera ansiosamente pelo fim de ano e já fez mil planos para o seu décimo terceiro salário. Porém, nem sempre é possível conciliar o aumento do custo de vida e os gastos extras que chegam tão de mansinho que você nem percebe que vieram para ficar. 

O Brasil encerrou 2021 com número recorde de famílias endividadas, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Pesquisa realizada pela entidade apontou que o percentual de lares com dívidas subiu para 76,3% em dezembro, o maior índice em 11 anos. E manteve uma média anual de 70,9% das famílias brasileiras. Ou seja, 7 em cada 10 contraíram algum tipo de dívida em pelo menos uma das principais modalidades – cartão de crédito, cheque especial, crédito consignado, financiamentos, entre outros. 

Por isso, o caminho para resolver o impasse se chama planejamento financeiro, uma estratégia cada vez mais necessária na vida de qualquer pessoa. Imagine reservar recursos para saldar a avalanche de despesas obrigatórias que acompanha o mês de janeiro. Materiais escolares, matrículas, IPTU, IPVA, seguros e por aí vai. Pode parecer chato, exige dedicação, mas quando a situação aperta essa é uma das poucas soluções que realmente vale a pena considerar.

Tudo bem que não resolve o seu problema agora, mas que tal pensar no próximo fim de ano com mais tranquilidade? O gerente regional da cooperativa de crédito Únilos, Júlio César Santos, explica que o primeiro passo para equilibrar o orçamento pessoal é conhecer a fundo sua realidade financeira e começar a agir de acordo com ela. Por isso, considera importante o uso de aplicativo ou uma planilha com todos os seus rendimentos e despesas mensais. 

“Quando se convive todos os meses com uma condição financeira difícil, a ideia de planejamento pode causar certa resistência e até parecer perda de tempo. Entretanto, não há como administrar aquilo que você não conhece. Daí a importância de se criar uma planilha, onde você atualizará mensalmente as entradas e saídas do seu caixa pessoal ”, explica Júlio. 

Assuma o controle da sua vida financeira

O saudoso escritor e humorista Millôr Fernandes dizia que “toda a alegria é assim: já vem embrulhada numa tristezinha de papel fino”. É mais ou menos aquela sensação do dia do pagamento, quando a satisfação de receber seu dinheiro não dura mais que o tempo de pagar os boletos. E você jura que não há o que fazer, mas, será mesmo? Júlio garante que só o exercício de organizar seus compromissos financeiros e seus ganhos com mais clareza, já pode ser bastante surpreendente. Então pegue papel e caneta ou abra uma planilha no computador e mãos à obra!

O gerente regional da Únilos recomenda que você comece relacionando os seus rendimentos. Isso inclui os ganhos profissionais – salário, comissões, décimo terceiro, férias – e ganhos com outras fontes de renda, como investimentos, aluguéis, trabalhos extras, qualquer dinheiro que faça parte do seu orçamento, mesmo que eventualmente. “Não é porque um ganho é eventual que não possa ser bem empregado nos seus planos. Estabeleça um compromisso e o dinheiro extra pode ser uma ótima provisão para despesas futuras e até para aquele programa pessoal ou com a família”, destaca. 

Agora respire fundo e encare suas despesas de frente. Comece pelas inevitáveis, que batem religiosamente todos os meses à sua porta. Aí entra o aluguel, os financiamentos da casa, do carro, o condomínio, planos de saúde, colégio, internet, tv a cabo e demais compromissos fixos. Depois parta para os gastos que, embora também sejam fixos, podem variar no valor. Estamos falando das contas de luz, gás, telefone, água, combustível, entre outras. Não esqueça das despesas com alimentação, cuidados pessoais e lazer.

Abra sua mente para as possibilidades

Antes de dizer que a sua planilha só confirmou que não lhe sobra nada no fim do mês, façamos algumas reflexões. A ideia aqui é buscar soluções, a planilha por si só não vai arrumar a vida financeira de ninguém. Se fazer economias ainda está fora de questão, tudo bem, então que tal rever seus gastos? Com a experiência da Únilos, cooperativa de crédito que há 24 anos atua na Grande Florianópolis, Julio Santos alerta sobre o risco de se acomodar. “Se tem duas coisas que ninguém quer é ficar devendo ou deixar de receber. Analise suas despesas com mais atenção e não tenha medo de reivindicar melhores condições, seu dinheiro tem muito valor”.

Pode ser constrangedor para muitos, mas pode ter certeza que renegociar o seu plano de internet ou pedir desconto em compras durante o ano só vai fazer algum mal se você não pedir. Abra todos os caminhos possíveis para desengessar o seu orçamento. Se tem um bom desconto, pague de uma vez. Se não lhe dá qualquer vantagem, considere parcelar. 

Cuidado também com propostas atraentes de crédito fácil. Pesquisa sobre a empresa e compare a proposta com sua instituição financeira, não tenha pressa. Adquira o hábito de pesquisar preços e não se negue a ir em mais de um local antes de firmar qualquer compra ou contrato. A saúde financeira não vem fácil, mas quando bem estabelecida, também não se vai por qualquer coisa. Experimente e logo verá que até economizar é possível.

Além disso, no PROGRID (www.progrid.coop.br), uma plataforma de educação e desenvolvimento do Sistema Ailos, você pode aprender sobre educação financeira de forma fácil, rápida e sem custo. O site disponibiliza diversos cursos de finanças e controles financeiros para apoiar nesse momento. Com conteúdos tanto para iniciantes, quanto para quem já tem uma economia e quer saber como investir melhor.

Colaboração: Dariane Carvalho | Estrutura de Comunicação

 

- Anúncio -
-Anúncio-
-Anúncio-
-Anúncio-