21 outubro 2020 - 4:44

Orleans: Agronegócio é responsável por cerca de 40% da economia do município

O sucesso do agronegócio em Orleans é digno de aplausos. “Esta classe merece o nosso respeito, admiração e ações publicas, que favoreçam o agricultor crescer cada dia mais.” frisa Crocetta.

Maior indústria da economia nacional, o agronegócio também é o carro chefe no município de Orleans. Responsável por cerca de 40% do PIB local, há três anos o município lidera as estatísticas de maior produtor da Associação dos Municípios da Região Carbonífera- AMREC.

Para chegar a esta liderança, além do trabalho e intenso investimentos dos produtores orleanenses, estes mesmos empresários do ramo do agronegócio ganharam um importante aliado do governo municipal através do trabalho realizado pelo secretário de Agricultura,  que assumiu em abril de 2017. Na primeira solicitação como titular da pasta, o então secretário Luiz Cristóvão Crocetta, recebeu a incumbência de transformar a secretaria que se encontrava uma folha em branco, popularmente denominada de “cabide de emprego”, numa importante ferramenta de apoio ao produtor rural. “Na primeira reunião com prefeito Jorge Koch, ele pediu que precisava fazer que a pasta obtivesse resultados parecidos com São Martinho que é referência em gestão de apoio aos produtores rurais, eu disse, que não somente iria ter resultados tão bons, como criaria muitas outras ações em prol do homem do campo”, recorda.

Um mês frente a pasta, Cristóvão encaminhou através do executivo o projeto de Lei 2.714 para a implantação do Programa Porteira Adentro, aprovado pela câmara municipal, em 12 de maio daquele ano e facilitaria o acesso dos mesmos, aos recursos da mecanização agrícola e apoio à infraestrutura da propriedade, objetivando a ampliação de renda, geração de trabalho e manutenção do laboro no campo, para evitar o êxodo rural. “Os atendimentos aos produtores na época, além de caros, eram onerosos e deficitários, o programa permitiu a disponibilização dos equipamentos a um custo muito abaixo de mercado, agilidade no atendimento”, explica Crocetta.

Passado a implantação do Porteira Adentro, surgia um novo desafio, ampliar e modernizar os veículos e equipamentos para os atendimentos. Com apenas um caminhão Ford cargo basculante (caçamba toquinho) e uma retroescavadeira depreciada o secretário começava um novo desafio. “Nesse etapa aproveitei o bom trâmite com deputados federais e estaduais de diferentes siglas partidárias para buscar emendas parlamentares e com isso adquirimos três caminhões novos, duas retroescavadeiras, uma S90, um trator agrícola com implementos e uma patrulha mecanizada que permitiram ampliar os atendimentos totalizando mais de centenas de horas de  máquinas e equipamentos, somados à entrega de mais de três mil cargas de areão aos moradores do interior, em aproximadamente 36 meses frente a pasta”, detalha.

Juntamente com outros integrantes da pasta e o Programa de Desenvolvimento Local-DEL, está sendo implantado o projeto de Internet Rural que permitirá o acesso à rede mundial de informações ao homem do campo orleanense pelos próximos 20 anos. “No início trabalhamos com a hipótese de antena com orçamento de R$18 mil, não deu certo e está sendo implantada a tecnologia de fibra óptica que custará aproximadamente R$ 40 mil”, complementa.

O bom trabalho frente a secretaria possibilitou o convite para ser presidente do Colegiado de Agricultura da Região Carbonífera, que atualmente perante o consórcio SIM AMREC, está pleiteando junto ao Ministério da Agricultura o selo de Serviço de Inspeção Sanitário-SISBI, aonde as agroindústrias municipais interessadas terão a oportunidade de comercializar seus produtos nacionalmente.

Apesar das conquistas, Cristóvão vê a necessidade de novos avanços. Entre as ações, agricultura familiar sustentável ao meio ambiente e o desenvolvimento do turismo rural. “O grande desafio será implantar pequenas indústrias, onde ao invés de vender matéria prima e insumos, o produtor possa vender seus produtos industrializados, agregando valor aos mesmos e gerando cada vez mais emprego na área rural”, avalia. “Hoje é necessário que o nosso produtor acredite que esta ideia vai dar certo, pois, levamos diversos produtores nas indústrias de queijarias, laticínios e frigoríficos em breve teremos novidades”, revela.

Crocetta, explica a necessidade de ser ter um executivo e legislativo com capacidade técnica para novos avanços. “A palavra de ordem hoje é projetos. De nada adianta você ter apenas vontade e não ter conhecimento de como criar e captar recursos. A liberação de recursos das esferas estadual e nacional só é possível com apresentação de projetos bem desenvolvidos e específicos e foi justamente isso que fizemos durante essa gestão”, finaliza. (À Pedido).

 

 

- Anúncio -
-Anúncio-
-Anúncio-
-Anúncio-