23 junho 2021 - 6:02

Única brasileira na elite do surfe, Tatiana Weston-Webb busca título inédito

Em sua terceira temporada defendendo o Brasil, gaúcha criada no Havaí tenta se tornar a 1ª surfista do país campeã do mundo. Nova temporada começa nesta sexta, Maui Pro, no Havaí

Em grande passo na carreira. Nascida em Porto Alegre-RS, mas criada no Havaí, a gaúcha resolveu passar a competir pelo Brasil, tornando-se, ao lado de Silvana Lima, as principais referências do surfe feminino no país. As duas, aliás, serão as representantes do país nas Olimpíadas de Tóquio no ano que vem.Até lá, com a não-permanência da cearense na elite, no entanto, Tatiana tem a responsabilidade de ser a única brasileira no Circuito Mundial 2020/21, que começa nesta sexta-feira com a disputa do Maui Pro, no Havaí.

Entre alguns treinos com o noivo – o surfista brasileiro Jessé Mendes – e a preparação para a temporada, Weston-Webb conversou com o ge sobre suas expectativas para o Tour, revelando estar motivada para levar o Brasil ao inédito título. Na entrevista, ela ainda falou sobre a frustração com o adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio e também fez um apelo para que os patrocinadores não abandonem o surfe feminino.

Não sei se a palavra seria responsabilidade, mas sim é uma motivação maior. Quero muito que o surfe feminino cresça e acredito que eu e a Silvana possamos fazer a diferença. Quem sabe com o titulo mundial e com medalha nas Olimpíadas isso não ajude? Prometo que darei o meu máximo para tentar conseguir.

Aos 24 anos, a gaúcha está na elite desde 2015, tendo dois quarto lugares (2016 e 2018) como melhores colocações no Circuito Mundial. Sua única vitória na CT foi na etapa de Huntington Beach, na Califórnia, em 2016.

Fonte: Globo Esporte
- Anúncio -
-Anúncio-
-Anúncio-
-Anúncio-