1 outubro 2020 - 5:58

Sebrae apresenta na ACIC modelo de desenvolvimento do ecossistema de inovação

Santa Catarina tem o sexto maior Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil: R$ 277 bilhões e possui apenas 1,1% do território nacional. Tem mais de 2,2 milhões de empregos formais, a menor taxa de desocupação do Brasil (5,8%) e é o segundo Estado mais competitivo desde 2017, ficando atrás apenas de São Paulo. A indústria barriga verde é a primeira em abates de suínos, em madeira e em pescados; está em segundo lugar na produção de frango, têxtil e vestuário e na indústria naval; em terceiro no segmento de móveis e indústria plástica; em quarto nos setores cerâmico, máquinas e equipamentos, metalurgia, celulose e papel e couro; e em quinto na construção civil, alimentos e bebidas e químicos.

            Os dados foram apresentados nesta semana pelo Sebrae/SC em reunião na Associação Comercial e Industrial de Chapecó (ACIC). Participaram o diretor técnico do Sebrae/SC Luc Pinheiro, o gerente de atendimento empresarial Douglas Luis Tres e o gerente regional Oeste Enio Albérto Parmeggiani. Também estiveram presentes o presidente da ACIC Nelson Eiji Akimoto, o segundo vice-presidente Helon Rebelatto, o diretor financeiro Dalvair Anghében e a diretora de desenvolvimento industrial Ivanete Matte Baroski.

            Os diretores do Sebrae/SC apresentaram um modelo para o desenvolvimento do ecossistema de inovação de Santa Catarina. “Pensamos em um formato que tem o empreendedor no centro e, ao seu redor os clusters (grupos de empresas de acordo com cada segmento); a comunidade, ou seja, governos, instituições de educação e entidades; recursos; habitats e mecanismos, como os centros, polos e parques tecnológicos; e por último o ambiente regional, envolvendo infraestrutura, qualidade de vida, entre outros”, explicou Pinheiro.

            Santa Catarina se destaca no setor de tecnologia e inovação. Está em primeiro lugar no número de startups per capita do Brasil. Possui 1.200 startups,13 polos de inovação, oito parques tecnológicos, 12 mil empresas de tecnologia e gera 50 mil empregos na área. O PIB em tecnologia é de 5,8%. Do total do PIB do Estado, 1,8% é destinado para pesquisa e desenvolvimento. “É o melhor do Brasil”, comentou Pinheiro. Além disso, SC tem o menor índice de desigualdade social, é o primeiro em expectativa de vida (79,7 anos) e tem um dos maiores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do País.

            O diretor técnico do Sebrae/SC destacou, ainda, os pilares do ecossistema de inovação do Estado: o empreendedorismo inovador, com apoio na criação de startups, programas que estimulam a inovação e 29 incubadoras; conhecimento, com 13 universidades e 84 centros universitários e faculdades que possuem 336 mil alunos, 18 mil docentes, sendo 6.942 doutores e 7.849 mestres; cultura com orientação para o trabalho, crescimento e empreendedorismo; e integração e cooperação, com projetos como o Pacto pela Inovação e trabalhos em rede. “Precisamos ter uma narrativa conjunta entre todas as entidades mostrando no que Santa Catariana e cada região se destaca para atrairmos investimentos e desenvolver ainda mais o Estado. A ACIC é uma parceira estratégica para isso”, enfatizou Pinheiro.

            De acordo com o presidente da ACIC, a visão do Sebrae/SC está alinhada com o planejamento estratégico da entidade e vem somar forças para o desenvolvimento de Chapecó e região. “Muitas questões que discutimos na diretoria vão ao encontro do modelo apresentado. Precisamos transmitir aos empresários o que Chapecó tem de bom, além de investir no conhecimento e na educação e incentivar o ecossistema a se desenvolver, sem esquecer o lado humanitário. As parcerias e a transversalidade entre as entidades, governos e instituições de ensino é fundamental”, finalizou Akimoto.

Fonte: MB Comunicação

- Anúncio -
-Anúncio-
-Anúncio-
-Anúncio-