sexta-feira, 5 junho 2020 - 10:54

Representante da CNC revela indefinição sobre volta do futebol: “não há nenhum consenso”.

Competições com sede única, jogos sem torcida, mudanças de fórmulas. A paralisação dos torneios, em decorrência da pandemia causada pela Covid-19, fez com que várias teorias fossem levantadas sobre o futuro do futebol brasileiro. Mas, de acordo com um dos representantes da Comissão Nacional dos Clubes (CNC), o presidente do Santa Cruz/PE, Constantino Júnior (na foto), nada disso faz parte da atual realidade. Sem previsão de que a crise humanitária seja amenizada, dirigentes e entidades nem sequer conseguem vislumbrar uma data base para retorno. “Eu faço parte de uma comissão nacional de clubes que se reúne com a CBF – Confederação Brasileira de futebol, e não há nenhum consenso sobre como ou quando será a volta do futebol. Está tudo parado, não há nenhuma perspectiva de consenso entre clubes, federações e a própria CBF”, disse.

Sem prazo, o exercício das federações e clubes tem sido traçar planos e encontrar, dentro dos cenários possíveis, alternativas que façam com que os prejuízos causados sejam minimizados. “Quem falar em alguma solução atualmente está chutando. O que podemos fazer e estamos fazendo é pensar em alternativas para cenários diferentes”, finalizou.

Na última terça-feira (14), em mais uma reunião com representantes de clubes, principalmente para tratar sobre direitos de transmissão internacional (TV), as equipes novamente não chegaram a um consenso sobre cenários a serem seguidos.

Federação Catarinense recebe ajuda da CBF.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou dias atrás medidas de apoio para a base da pirâmide do futebol, tendo em vista as dificuldades causadas pela pandemia do Covid-19. Clubes participantes das Séries C e D do Campeonato Brasileiro, bem como das Séries A1 e A2 do Campeonato Brasileiro Feminino, receberam o equivalente a duas folhas salariais médias de suas respectivas divisões. Os valores são baseados no sistema de registros de contratos da entidade.

São medidas que complementam decisões tomadas anteriormente pela CBF, considerando o cenário operacional do esporte: isenção por tempo indeterminado das taxas de registro e transferência de atletas, adiantamento de parcelas para clubes da Série B e de taxas para os árbitros do quadro nacional.

Em nota publicada em seu site, a entidade máxima do futebol de Santa Catarina reconhece os gestos de solidariedade praticados pela CBF como um símbolo da unidade adotado para superarmos esse momento delicado.

Por outro lado, surgiu nesta semana uma possibilidade de retomada do futebol catarinense a partir do mês de maio, com portões fechados. Os clubes seguem em conversação com a própria FCF, todavia devido ao novo decreto do governo estadual suspendendo eventos esportivos pelo menos até 31 de maio, será necessário um entendimento também com o Estado.

Por: Rodolfo Devilla!

- Anúncio -
-Anúncio-
-Anúncio-
-Anúncio-