23 setembro 2020 - 5:48

Polícia Civil conclui inquérito e indicia empresários por crime ambiental, em Criciúma

A Polícia Civil, através da 2ª Delegacia de Polícia apurou que crimes ambientais estavam acontecendo desde o ano de 2017 junto a uma empresa localizada na Vila Macarini, em Criciúma. A operação teve o apoio do Serviço Aeropolicial da Polícia Civil (SAER), Instituto Geral de Perícias (IGP) e Fundação do Meio Ambiente de Criciúma (FAMCRI).

Imagens obtidas pelo SAER, junto ao Rio Maina, em setembro, indicavam que a empresa estava despejando/lançando resíduos de cor azulada, provenientes da produção, junto ao Rio. A partir dai a Polícia Civil começou as investigações e detectou que o problema era antigo – ocorria desde 2017 – e o despejo continuou no rio.

Foram feitas várias incursões no local tanto por parte dos policiais da 2ª DP quanto por representantes do SAER, IGP e da FAMCRI. Foi verificado então a periodicidade dos lançamentos dos resíduos da produção no rio, que tinham toxidade e causavam males tanto aos seres humanos quanto à fauna e flora.

De posse de análises da FAMCRI e do laudo pericial realizado pelo IGP, a investigação foi concluída com o indiciamento dos empresários por crime ambiental, previsto no Artigo 54 da Lei 9.605/98 – Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora: Pena – reclusão, de um a quatro anos, e multa.

- Anúncio -
-Anúncio-
-Anúncio-
-Anúncio-