25 setembro 2020 - 12:16

Museu ao Ar Livre Princesa Isabel de Orleans completa 40 anos  

O museu ao Ar Livre de Orleans está fechado temporariamente para visitação do público devido a pandemia.

O Museu ao Ar Livre Princesa Isabel, o primeiro do gênero a ser construído na América Latina, está localiza do em Orleans. Inaugurada em 30 de agosto de 1980, foi reconhecido por unanimidade como Patrimônio Cultural Brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em 2019.

O pedido de tombamento se deu em 1987 feito pela própria instituição, e se tornou realizado 32 anos depois.

O professor Elcio Willemann, presidente da Fundação Educacional Barriga Verde (Febave), mantenedora do museu, e reitor do Centro Universitário Barriga Verde (Unibave) e a diretora do Museu ao Ar Livre Princesa Isabel, Valdirene Böger Dorigon, se fizeram presentes na cerimônia que aconteceu em Brasília.

O Museu ao Ar Livre Princesa Isabel possui salão comunitário, capela, engenho de farinha de mandioca, estrebaria, casa do colono, cantina de vinho, galpão dos meios de transporte, engenho de açúcar, alambique, olaria, serraria, marcenaria, oficinas artesanais, atafona para moagem de milho, descascador de arroz, moagem de cereais, ferraria, monjolo simples, monjolo de quatro pilões, além de palco e recepção.

Mantido pela Fundação Educacional Barriga Verde (Febave) não possui fins lucrativos. A expressão “ao Ar Livre” corresponde à forma de apresentação do acervo num ambiente natural e ecológico, destacando o modo de vida de uma dada comunidade, em uma determinada época, residência, igreja, moinhos, galpões, indústrias artesanais, enfim, procuramos conservar um ambiente de contemplação e estudo.

O “parque das indústrias dos colonizadores” fica situado em um terreno de aproximadamente 20 mil metros quadrados, em suas dependências, está instalada a Casa de Pedra, que abriga um acervo com coleções, obras raras e documentos, que foi salvaguardado num período anterior ao do Museu ao Ar Livre.

Riqueza histórica: Casa de Pedra

A Casa de Pedra, situada nas dependências do Museu Ao Ar Livre Princesa Isabel, passou a abrigar o Centro de Documentação Histórica Plínio Benício (CEDOHI), o acervo da unidade Museu da Imigração Conde D’Eu, a Biblioteca Histórica Etienne Stawiarski e o Laboratório de Conservação e Restauração (LACOR), em 2001.

Unidade Museu da Imigração Conde D’ Eu

O Museu da Imigração Conde D’Eu foi inaugurado em 30 de agosto de 1970, nas dependências do Seminário São José, em Orleans. São muitas coleções que compõem o referido acervo: ferramentas de trabalho; utensílios domésticos; imagens e objetos sacros; objetos de adorno, de conforto e auxílio pessoal; mobília; objetos de adorno para interiores de residências; numismática; acervo arqueológico; indumentárias; uma coleção de minérios regionais; dentre outros.

Este acervo começou a ser formado em 1967, através de um trabalho realizado pelo Seminário São José e coordenado pelo Padre João Leonir Dall’Alba. No ano de 2002, o museu foi reaberto para visitação, já instalado na Casa de Pedra, no Museu ao Ar Livre Princesa Isabel.

Biblioteca Histórica Etienne Stawiarski

Neste local, é possível encontrar um acervo com obras raras nas mais variadas áreas do conhecimento: Biologia, Religião, Medicina, Matemática, Literatura, Português, Mecânica, Astrologia, Psicologia, Geometria, Eletricidade e entre outras. Indicar as áreas de assunto abrangidas pelo acervo. Esta coleção pertenceu a um dos superintendentes da Empresa de Terras de Colonização Etienne Gaudenty Stawiarski. Em sua homenagem e como forma de agradecimento, a biblioteca foi intitulada de Biblioteca Histórica Etienne Stawiarski.

Centro de Documentação Histórica Plínio Benício

Este centro é dotado de documentos referentes à Empresa Colonizadora Grão-Pará, que pertenceu ao conde D’Eu e à princesa Isabel, formada com o intuito de incentivar a imigração e de vender as terras do dote de casamento da princesa. Com a Proclamação da República, a empresa deixou de pertencer ao casal Imperial e mudou o nome para Empresa Colonizadora do Brasil. A primeira sede da empresa foi provisória em de Braço do Norte, depois construíram uma nova sede em Grão-Pará, mais tarde mudou-se para a cidade de Orleans.

Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural

O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural é o órgão colegiado de decisão máxima do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para as questões relativas ao patrimônio brasileiro material e imaterial. Ele conta com nove representantes de instituições públicas e privadas e 13 representantes da sociedade civil, indicados pela presidência do Instituto e designados por ato do Ministro de Estado da Cultura.

- Anúncio -
-Anúncio-
-Anúncio-
-Anúncio-