19 setembro 2020 - 6:12

Inflação acelera em dezembro com alta da carne, gasolina e telefone, informa Udesc Esag

Os preços dos produtos e serviços consumidos em Florianópolis tiveram aumento médio de 0,73% em dezembro. O índice é quase o dobro do verificado no mês anterior (0,38%). A alta foi puxada principalmente pelos itens de alimentação (2,52%), transportes (1,13%) e comunicação (3,74%). No acumulado de janeiro a dezembro de 2019, a inflação ficou em 3,91%.

Os números são do Índice de Custo de Vida (ICV), calculado mensalmente pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), por meio do Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas (Esag), com apoio da Fundação Esag (Fesag). O boletim mensal de dezembro foi divulgado nesta sexta, 27.

Alimentação

A alta dos alimentos teve uma contribuição muito forte da alimentação fora de casa. Comer em restaurantes ou lanchonetes ficou em média 5,25% mais caro em dezembro. Mas o preço da comida comprada no supermercado também teve um aumento médio maior que o da inflação do mês: 0,88%.

Nos supermercados e açougues, os preços das carnes, que já vinham de um aumento forte no mês anterior (13%), subiram mais 6,7% em dezembro. Os cortes que mais encareceram foram costela bovina (11%), alcatra (8%), patinho (6%), músculo bovino (6%), contrafilé (5,7%), filé mignon (5,5%) e bisteca suína (2,5%). Aves e ovos subiram 3%, em média.

Combustíveis e telefone

A alta nos preços relacionados aos transportes (1,13%) foi puxado novamente pelos combustíveis para automóveis, que subiram 3,1%. O aumento foi próximo do registrado no mês anterior (3,8%). Esse movimento ainda reflete as variações no dólar e nos mercados internacionais do petróleo, que afetam a política de preços da Petrobras.

Já a alta de 3,74% nos preços relacionados aos serviços de comunicações se deve ao aumento das tarifas de telefones residenciais, que ultrapassaram os 19% em dezembro.

Outros preços

Além de alimentação, transporte e comunicações, também subiram em média os produtos e serviços ligados à saúde e cuidados pessoais (0,56%) e educação (0,47%). Juntos esses dois grupos correspondem a cerca de 15% do orçamento das famílias em Florianópolis.

Mesmo com a aceleração da inflação em dezembro, no índice geral, alguns preços caíram. É o caso dos itens relacionados a habitação (-0,88%), artigos de residência (-0,44%), vestuário (-1,39%) e despesas pessoais (-0,27%).

Sobre o Índice de Custo de Vida

O ICV/Udesc Esag registra a variação dos preços de 297 produtos e serviços consumidos por famílias de Florianópolis com renda entre 1 e 40 salários mínimos. Para o último boletim mensal, os dados foram coletados entre os dias 1º e 27 de dezembro.

A metodologia é a mesma usada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para o cálculo do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), referência oficial para a meta de inflação nacional. Para o cálculo do ICV, a Udesc Esag conta com o apoio da Fundação Esag (Fesag), na atualização das ferramentas utilizadas.

Mais informações podem ser obtidas em udesc.br/esag/custodevida, onde é possível consultar os boletins mensais (desde 2010) e as séries históricas (desde junho de 1994) do ICV/Udesc Esag.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Udesc Esag
- Anúncio -
-Anúncio-
-Anúncio-
-Anúncio-