2 dezembro 2020 - 11:18

Amrec e Amesc entram na classificação de regiões com risco potencial gravíssimo para Coronavírus

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) comunicou aos prefeitos da Associação dos Municípios da Região Carbonífera (Amrec) e Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense (Amesc) que ambas as regiões entraram para a classificação de risco potencial gravíssimo para Covid-19. O anuncio foi feito na terça-feira, 14 julho.

Na última quarta-feira, dia 7, a Associação dos Municípios da Região de Laguna (Amurel) já havia sido enquadrada na mesma situação.

O índice analisa a evolução do contágio do novo coronavírus por regiões do estado. São quatro os níveis e cores que definem a classificação de risco das regiões catarinenses: moderado (azul), alto (amarelo), grave (laranja) e gravíssimo (vermelho). Para definir em qual grupo cada região se encaixa, são avaliadas, em uma escala de um a quatro pontos, as prioridades de implantação de ações de isolamento social; investigação, testagem e isolamento de casos; reorganização dos fluxos assistenciais de saúde; e ampliação de leitos.

“As informações ainda não foram atualizadas pela Secretaria de Estado da Saúde no mapa que mostra quais regiões estão em situação mais preocupante. Mas a nova classificação já foi antecipada para os prefeitos na noite dessa terça-feira para eles já estarem cientes da situação. Ainda aguardamos essa oficialização dos dados, mas é praticamente certo que irá se confirmar”, afirmou o diretor executivo da Amrec, Giovanni Dagostin Marchi.

Intenção é não adotar novas medidas restritivas

Ainda nessa terça-feira, os secretários de Saúde de todo Sul de Santa Catarina estiveram reunidos para avaliar o atual momento da pandemia na região. Segundo Marchi, a intenção inicial é não adotar mais medidas restritivas, apenas intensificar as fiscalizações.

“Mas os decretos, dependendo da situação, podem ser revistos a qualquer momento. Nesta quarta-feira os prefeitos, secretários de Saúde e gestores de hospitais vão estar reunidos em uma vídeoconferência com o secretário de Estado da Saúde para avaliar a situação. O propósito é que os prefeitos façam reinvindicações ao Governo do Estado, como aumento no número de leitos de UTI, atenção para a falta de medicamentos nos hospitais e demais demandas da região”, salientou o diretor executivo da Amrec.
Fonte: Engeplus

- Anúncio -
-Anúncio-
-Anúncio-
a href="#">
-Anúncio-